Portal da Cidade Vassouras

LUTO

'Era o sonho dele', diz mãe de Arthur Vinicius, uma das vítimas do incêndio

Jovem atleta da base rubro-negra faria 15 anos neste sábado.

Postado em 09/02/2019 às 23:40 |

Arthur Vinicius tinha 14 anos (Foto: Divulgação)

'Era o sonho dele mesmo', diz mãe de Arthur Vinicius, vítima do incêndio no CT do Flamengo (Foto: Reprodução/TV Rio Sul)

Clima de tristeza em um dia que era para ser de alegria. Neste sábado (9), Arthur Vinicius completaria 15 anos. Ele jogava na base do Flamengo e morreu no incêndio no Ninho do Urubu. Na casa onde morava com a mãe e a tia, no bairro Volta Grande I, em Volta Redonda, no Sul do RJ, desde a notícia da morte do adolescente foi montada uma espécie de vigília. Em meio à tragédia, a mãe foi a fortaleza para confortar os parentes. O consolo, segundo ela, é saber que o filho morreu fazendo o que mais gostava.

Ele tava muito feliz lá. Era o sonho dele mesmo, ele fazia realmente o que ele gostava. Ele esteve de férias, jogou bola todos os dias”, contou dona Marília de Barros Silva, acrescentando que o filho havia lhe confidenciado as expectativas dele para o futuro na carreira.

"Todas as viagens que a gente fazia, ele sempre dormia, e essa ele não dormiu. Ficou acordado o tempo todo, no celular. Ele tava muito ansioso de voltar, ele falava: 'mãe, é o meu ano, é o meu ano' [...] ele falou: 'mãe, eu não esqueci meu foco não, mãe. Meu foco é o futebol'. Eu tenho com Deus que ele dormiu mesmo, um anjo mesmo, foi dormindo mesmo, não sentiu nada não'', disse dona Marília.

A mãe soube do incêndio por amigos. Ainda sem ter a certeza que o filho era uma das vítimas, foi para o Rio e teve a confirmação a caminho da capital. Depois do reconhecimento do corpo, preferiu voltar para casa. Seria um final de semana especial, com a festa de aniversário já toda planejada.

"Ele queria uma festinha. Já tinha chamado os amigos, umas meninas, os amigos aqui do bairro", revelou a mãe.

Arthur esperava um ano especial. Depois das férias, estava empolgado para os treinamentos e a tentativa de voltar a defender a base da Seleção Brasileira.

"Um garoto que tinha tudo para arrebentar esse ano. Mas, infelizmente, tragédias acontecem. Agora é entregar nas mãos de Deus e pedir a Deus que nos console, que nos conforte", disse o tio de Arthur, Edilson de Freitas Pereira.

Estava há três anos no Flamengo

Arthur Vinicius atuava como zagueiro há três anos na categoria de base do Flamengo. No final de 2018, Arthur havia sido convocado para a seleção brasileira sub-15. Antes de se transferir para o Flamengo, ele passou também pela base do Voltaço, time da cidade natal.

Ele e mais nove pessoas morreram no incêndio na madrugada de sexta-feira (8) que atingiu o alojamento do CT George Helal, conhecido como Ninho do Urubu. A tragédia também deixou outras três pessoas feridas.

Enterro será neste sábado

O corpo de Arthur foi liberado pelo Instituto Médico Legal do Rio por volta de 1h50 (de Brasília). Ele já foi identificados pelos peritos, reconhecidos por familiares e levados a funerárias para serem preparados para o velório.

De acordo com familiares de Arthur, eles estão esperando a certidão de óbito. O velório vai acontecer na capela central do cemitério Portal da Saudade, em Volta Redonda, e o enterro está previsto para 16h, no mesmo local.

Não é a primeira tragédia a atingir a família de Arthur. Quando ele era criança, teve o pai assassinado no bairro onde moravam.

Homenagem de amigos

Na noite de sexta-feira (8), amigos e vizinhos fizeram uma homenagem a Arthur Vinicius no bairro Volta Grande I, onde ele morava com a mãe e uma tia. O ato foi marcado por uma corrente de oração, fogos e aplausos. O grupo se reuniu e soltou fogos nos locais que o menino costumava ficar no bairro.

Os vídeos da homenagem foram divulgados nas redes sociais dos jovens. Nas fotos e imagens é possível ver mensagens de despedida: "vai com Deus primo" e "Arthur Vive".

Sobre a tragédia

Segundo o vice-governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, os bombeiros foram acionados às 5h14, chegaram ao Ninho do Urubu às 5h38 e apagaram o incêndio em pouco menos de uma hora. A principal linha de investigação indica que a tragédia no CT do Flamengo teve origem em um aparelho de ar-condicionado de um dos quartos do alojamento.

Há 10 mortos e três feridos. Seis dos mortos já foram identificados, todos atletas da base rubro-negra: Christian Esmério, de 15 anos; Arthur Vinícius de Barros Silva Freitas, de 14 anos; Pablo Henrique da Silva Matos, de 14 anos; Bernardo Pisetta, de 15 anos; Vitor Isaias, de 15 anos; e Athila Paixão.

Entre os três feridos, a situação é a seguinte: Jhonatan Cruz Ventura, 15 anos, inspira mais cuidados, uma vez que está com 35% do corpo queimado e passa por cirurgia. Francisco Diogo Bento Alves, 15 anos, está no CTI, mas seu estado é estável. Cauan Emanuel Gomes Nunes, 14 anos, está lúcido e conversando.

Deixe seu comentário